"Adeus, tranquilidade. Adeus, alegria.
Adeus, tropas emplumadas e guerras heróicas
Que fazem da ambição uma virtude! Adeus."
—   Anton Tchekhov
Espectáculo em Português
O CISNE

“Sessenta e oito anos e doente.” Síntese biográfica de um actor derrotado e cansado que, ao fim de mais de quatro décadas de palco, cenas, desencontros e desilusões, olha para trás e não consegue ver nada além de uma vida desbaratada ao serviço do ócio de estranhos. A aguda consciência da grandeza do teatro, da sua força, vigor, indispensabilidade e glória, contrapõe-se, neste espectáculo, à desiludida aceitação dos imensos sacrifícios a que se vêem obrigados muitos dos seus mais fervorosos praticantes, sonhadores destemidos que, em paga da sua militância, são recompensados com o esquecimento. Partindo de uma das mais emblemáticas peças em um acto de Anton Tchekhov, “O Canto do Cisne”, viajamos no lirismo embriagado e delirante de um comediante velho, gasto, amargurado e solitário, um homem cuja imaginação doente o faz reviver a grandiosa carreira que não teve. Entre companheiros invisíveis, citações avulsas, memórias distorcidas e impulsos inconcretizáveis, um homem só, num teatro às escuras, de garrafa na mão, desata-se em palavras para adiar, um pouco mais, o inevitável descer do pano.

A partir de "Canto do Cisne", "Ivanov" e "As Três Irmãs" de Anton Tchekhov e "Hamlet" de William Shakespeare

Ideia Original , Tradução (a partir da versão inglesa de Marian Fell) , Adaptação e Encenação Pedro Galiza

Interpretação Tiago Regueiras

Espaço Cénico , Design de Luz e Figurinos Pedro Morim

Caracterização Crestina Martins

Design Gráfico Adriana Leites

Motion Design e Fotografia Nuno Leites

Produção Marácula

© 2015